PARTICIPE. CLIQUE ABAIXO.

terça-feira, 12 de fevereiro de 2013

Fase anal - Psicanálise

Nota 

Curta a página do blog: Profundo e Pleno

Para entendermos a pessoa que somos hoje, voltemos a um passado remoto dos primeiros anos de nossa infância. Analisando as fases da sexualidade segundo a teoria de Freud, pode-se apontar os fortes indícios de fixação naquela que moldou a nossa própria formação. Neste texto, trago um apanhado das ideias levantadas sobre a fase anal.

A segunda fase - dos 18 meses aos 4 anos de vida - a gratificação do reconhecimento que leva à consciência está no prazer do anus. É nesse período que a criança se vê diante de um dilema. O que para ela é resultado da sua própria criação - as fezes -  por outro pode ser motivo de críticas e deboche, porque até então, na sua consciência, antes de um ano e meio de vida aquele bebê que evacuava nas fraldas era apenas um anjo que expulsava naturalmente seu cocozinho. Ao ver o objeto de sua criação, mas posta contra uma sociedade que discrimina o mau cheiro das fezes, a criança é ensinada a conviver em sociedade. Nesse ínterim ela recebe o reconhecimento e a educação ou os apontamentos e as críticas. Nessa fase a criança requer uma atenção especial. Ela necessita que haja por parte dos pais ou de quem a educa um direcionamento definido que a ensine o poder do controle através da higiene pessoal. Recebendo esse apoio, a criança aprende que o controle fisiológico é uma nova fonte de prazer. É o tempo em que o filho também espera dos pais que eles estipulem e corrijam os erros do filho. É nesse tempo que a criança abstrai os elogios e a atenção recebida, pois ela espera, ao aprender a controlar seu fisiológico, que os pais ou quem a educa possam reconhecer os seus méritos. Nesta fase a criança começa a captar através dos ensinamentos paternos a diferença do bom/mau, feio/bonito, certo/errado/, limpo/sujo, e se vê diante de tantos tabus e proibições, até mesmo aqueles que envolvem sua genitália ou sexualidade. 

Desvendando o aprendizado do controle fisiológico, ao seu inverso diante de uma fixação nessa fase, ou seja, tendo-a completado de forma ineficaz, ao invés dos elogios as críticas, das recompensas a punição, do ensinamento a falta de controle dos pais, podem haver conflitos para o resto da vida em relação às experiências sofridas durante esta época da infância. 

Freud aponta três características principais de caráter anal: ordem, parcimônia (economia), e teimosia. A criança que sofreu algum bloqueio na fase anal quer seja pela falta de atenção dos pais, pela falta de conceitos não tão bem definidos, pelas críticas e desapontamentos recebidos, pela falta de reconhecimento e elogios aos atos das crianças originou o adulto controlado demais, em alguns indivíduos como perfeccionistas e impecáveis de traços negativos. 

Adultos que não lidam bem com críticas tais como aqueles que não respeitam seus superiores ou não aceitam ordem dos chefes tiveram algum conflito na fase anal. É como se retomassem à lembrança a mesma voz do pai ou da mãe que os criticava ou os punia.(conflito de autoridade-rebelião). Em contrapartida eles se tornam críticos, desafiadores e competitivos uma porque dão em recompensa aquilo que receberam; outra porque tendem a mostrar que possuem algum valor por isso desafiam, e por último se tornam competidores natos porque encontram prazer em controlar ou ganhar. 

Esses mesmos sujeitos trazem a ideia de dar e recusar. São as pessoas que lidam melhor ou pior com as críticas e elogios. Eles vão procurar a vida inteira motivos que as levem através dos fragmentos da vida a se sentirem recompensadas pelo mundo exterior. Buscam a troca por algo que fazem, pelo que são ou pelo que podem demonstrar ser ou ter. 

Para entender melhor os conflitos existentes na fase anal e que tipos de indivíduos elas originam, vamos imaginar a situação em que a criança se encontra ao sentir prazer ao defecar. Ela entende que está ali a sua primeira produção e que em alguns casos oferece aos pais como presente. O feedback que os pais dão é que pode desencadear certos bloqueios. A criança passa a reconhecer o sentido das coisas, do bem e do mau, do sujo e do limpo. Dependendo da resposta dos pais, a criança passa a entender que sua produção que lhe deu prazer ao defecá-la através das sensações da mucosa anal cheira ruim e é negativa ou se faz parte de um processo natural de todo ser humano. A partir de então, a criança passa a ter o controle sobre as vias fisiológicas. O modo como o pai ou a mãe ensina/repreende/ou adverte é o que faz desenvolver sua personalidade dessa fase. O indivíduo pode se desenvolver agressivo, hostil, sádico, cruel, ou ainda raivoso, teimoso e mesquinho se a experiência teve seu saldo negativo. 

A criança que entendeu que o processo de defecação lhe acarretava como um ser sujo, impuro e diferente, trouxe em si o peso das críticas e da punição desenvolvendo um sujeito arredio, difícil de conviver e deveras avarento porque transferiu a energia do controle fisiológico ao controle econômico, retendo para si ao invés de expulsar. O indivíduo acredita que dar a sua obra-prima como presente vai lhe trazer consequências desastrosas como na infância, o que, segundo Freud, no desenvolvimento psicossexual a condensação da equação se faz: fezes=presente=dinheiro. 

No campo da ambivalência sexual o homem ou mulher liga o erotismo anal entre retenção e evacuação. É o que torna os sexuados conflituosos em atividade/passividade, dominação/submissão ou tendências ao sadomasoquismo. Neste último caso, o desejo de evacuar o objeto que lhe deu prazer remete à criança que entendeu que a sua produção não era aceita, tinha cheiro ruim e deveria ser destruída e que por outro lado retê-la era uma maneira de tomar posse do seu objeto, definindo assim o sado.

A fixação na vida adulta se transfere a algumas características ou formações. É o caso dos pintores (que transferem com a tinta sobre as paredes a ideia de limpeza e ordem, anulando assim um constrangimento na fase anal); os escultores (que criam sua obra de arte em lugar daquela antes rejeitada pelos pais); pessoas generosas ou avarentas (as duas faces da moeda de dar e recusar já mencionada acima) e no sexo anal.


Denis Rafael Albach


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui seu comentário, sua opinião, sua ideia, crítica e sugestão.

Pesquise neste blog - Digite um tema abaixo

Carregando...